A Lei do UsoCapíão


A Lei do UsoCapião!

Ladrões e Mentirosos são dois tipos de pessoas que eu não tolero e não importa quem sejam. Próximos ou afastados, conhecidos ou desconhecidos e até falsos Amigos,  são muito mais comuns do que se pode pensar. Isto me leva ao pensamento de lembrar aquele proverbial ditado; “no melhor pano cai a nódoa” e, vos escrevo hoje isto aqui por infeliz facto constatado “in loco” por mim mesmo que já estou na Emigração há mais de 58 anos. Todavia nos dias de hoje, podem crer!, isso acontece quase por todo o lado.
Na hora de emigrar e cada um tem sempre um motivo forte o bastante para viajar, não importa quais sejam as dificuldades. Muitas vezes é a falta do suficiente até para comer, e quase sempre por obra do destino ou um certo fatalismo na ânsia da liberdade em ir mais além e melhorar de vida. E com essa vontade no tino da sobrevivência nós nos aventuramos pelos caminhos nunca dantes trilhados, e portanto cada passo dado é uma nova aventura cujo final, eu acho que nem mesmo Deus sabe o que será?!   
O direito Português tem bases seculares e uma delas é o entendimento Latino do “uti possidetis”  -  O qual formou a base do Princípio do Direito Internacional. Princípio este que estabelece que quem ocupa um território ou propriedade pertencente a outrem durante um longo tempo, o usuário se acha no direito de o possuir o que tiver sobre ele, prédio ou construção urbana?!
Na prática esta arenga é muito comum e se traduz popularmente em um sentimento idealista muito em voga ultimamente ou seja: “a terra a quem a trabalha”!, mas…e tem sempre um “mas” para ser questionado em julgamento nas barras dos tribunais. Isso porque a Lei se chama “usocapião” e não usurpação. Ou seja; é preciso  comprovar o uso da terra e adquirir o direito de facto de a possuir e utilizar.
O meu Pai, que Deus já lá tem desde 01 de Abril de 1969, ele foi “Feitor” de várias Terras na Aldeia onde nasceram os 11 Filhos porém destes todos, só 8 sobrevivemos e, sendo eu o mais novo, acabei por me tornar o primeiro Emigrante da Família quando completei os  meus 13 anos de idade. Os meus Irmãos mais velhos todos tinham saído já de casa mas apenas para cumprir o serviço militar, como também o havia feito o nosso Pai, no tempo dele. Depois do serviço militar cumprido todos voltaram ao lar.
Por certo ele jamais soube o que é a Lei do Usocapião, e mesmo que soubésse,  pelo pouco que ele me ensinou enquanto estive em casa,  posso jurar que ele jamais tomaria tal atitude.  -  O tempo passou, a evolução das leis e das mentalidades se adaptou a quem estiver presente e, de certa forma, surge então o também muito popular dichote; “quem vai ao mar, perde o lugar”.
Acontece que, muitos de nós Emigrantes fomos e ainda continuamos a ir “ao mar”, e demoramos para voltar. A grande maioria de nós, principalmente aqueles que atravessamos o mar nas suas múltiplas direcções,  demoramos tanto tempo para voltar ao lar, que quando voltamos, a mais das vezes já nem encontramos nada que o valha para recordar, para visitar, para reviver ao menos as lembranças de um passado já tão distante  definitivamente perdido na poeira do tempo.
- Mas a decepção maior é quando alquém usa a “ Lei do Usocapião”. Esta  entra em vigor,  e o sujeito deserdado daquilo que lhe pertence por direito consanguineo ou não, ele  tem apenas duas alternativas: contractar um Jurídico especializado nesse tipo de usurpação do que era de todos, e acaba por gastar todas as economias duramente angariadas lá na “Estranja” onde a vida de “Cigano sem Pátria e sem Lar”, se exerce dia após dia, ano após ano, com um único lenimento na ideia que é o pensamento em voltar às origens. Geralmente perde a luta porque a Lei é cara, mas perde muito mais porque a amizade a confiança deixou de existir.
A burocracia dos cartórios, dos notários, dos Tribunais custa os olhos da cara, e é o argumento mais usado pelos mentirosos, usuários dessa mesma Lei. É a arenga dos oportunistas, daqueles que nunca saíram do ninho e,  sobretudo, é uma batalha perdida de quem está ausente há muitos anos.
A outra alternativa é bem mais simples, mas dói mais, muito mais! - Dói no Coração e na Alma de quem nunca conseguiu subir na vida de Emigrante porque a honestidade e a dignidade do Emigrante é um caminho sempre a subir. Muitos ficam pelo caminho… outros desistem antes mesmo de enxergarem o óbvio que é o esquecimento porque quem não é visto não é lembrado.
Esquecer é desistir de tudo, e isso  nem sempre é fácil. Porém nós  esquecemos!,… esquecemos  e olvidamos mais fácilmente quando conhecemos a realidade da vida. Nós  sabemos que desta vida nada levamos.
Por isso eu costumo glosar pensamentos como este do Grande Miguel Torga: “Como a gente se perde! A linguagem que o meu sangue entende — é esta. A comida que o meu estômago deseja — é esta. O chão que os meus pés sabem pisar — é este.  E, contudo, eu não sou já daqui. Pareço uma destas árvores que se transplantam, que têm má saúde no país novo, mas que morrem se voltam à terra natal”.
Vez por outra eu me defronto com os meus próprios pensamentos os quais, muitos, muitos!… eu os deixo registrados em frases minhas com base na própria experiência pessoal. E vos digo; eu não tenho prémios nem loas das muitas ações que eu já fiz na vida. Para me acalmar eu recordo só as boas, e das más me resta sómente uma grande “ferida”! Nada mais…
Silvino Dos Santos Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil 


A coalhada Luz & Tana




Campo de Pasto do tempo das Vacas Gordas!



De: Silvino Potencio,



O Carnaval em Zumbi (*)  



Em virtude da azáfama do entrudo, que é grande! aqui na região é sempre assim - só ontem no caminho da praia, eu peguei uma "bicha" de 10 kilometros!



Ai credo!... aonde, aonde!? perguntava ansioso um prevertido motorista de táxi que nos levou para a Praia - um autêntico taxista profissional do ramo, que estava ali nas redondezas. 

-  Eu, que já conheço o tipo de algum lugar, o atalhei logo!

-  Oóooo PÁ! péraíiiii óoooo páaaa!...

- estás-me a estranhar ou o quê? hein, hein???... uké ké isso hein?!

- A conversa foi na estrada para a praia do Zumbi e não com um Zumbi pô!... tavas aí já a pensar o quê?hein!?



Não!, Nada não, tem nada não,Portuga!...

- eu só queria saber, para ver quantos é que ainda estavam atrás de mim!...ai credo!... resmungou ele de novo enquanto mudava para a fila da bicha do outro lado da faixa de rodagem. 

Bom...  e agora que os leitores já se sentaram na poltrona de ler os meus emails, aatãon bamos lá!

- eis o novo boletim informativo do "entrudo" em nome da A.S.A.E. ( Agencia de Serviços de Apoio ao Emigrantado) com a previsão do tempo para os próximos meses antes do, verão  voismecês às quantas andamos!



A COALHADA FINANCEIRA LUZ & TANA - é um produto obtido das tetas das vacas, das cabras, das ovelhas, das bufalas, das camelas... até daquelas que andam no agora “deserto Alentejano”, e serve para fazer queijos de diversas categorias.

Segundo as normas de higiéne da nossa agência, a coalhada é a tábua de salvação para a economia nacional! 

A grande maioria dos economistas europeus acreditados em "Bruxo elas" as tetas das fêmeas são a nossa maior fonte de riqueza!

- Depois de se colectar o leite numa vazilha de 50 litros, QUE FICA DE RELENTO NA BEIRA DA ESTRADA DE ALCAFOZES, coloca-se lá dentro uma porção de ácido sulfúrico a 1/1.000.000.000 - ou seja 1 PPM para cada vazilha.

(eu sei muito bem disto porque quando eu trabalhei em laticinios, na Cova da Beira, eu aconselhava os leiteiros a não colocar o tal 1 PPM,  mas!... tem sempre um “mas” como o Interventor da fábrica do leite era, do mesmo partido do home que era amigo do dono do poleiro Alfacinha, lá se adoptou o uso de tais medidas, ou seja; o uso de apenas 1 PPM (*) de cada vez,  senão o povo não aguenta).



A ECONOMIA A BALÕES DE OXIGÊNIO: Técnicamente: mete-se uma concha dentro da "cu alhada" e, quando se retira a concha,  lá dentro fica um espaço com o "soro"! E este soro é primo do tal mega-milionário o tal do "SOROS" que, em compensação nos diz porquê a nossa  economia no Recto Ângulo, anda movida a balões de óxigénio!



Ahhhhé "BERDADE"!... xim xiõ berdade berdadinha!  

- bem que mo dixo o mou primo que tem um curral de cabras, lá na 'nha terra  e quando ele bai a mugir as cabras, os cabrões da A.S.A.E...(Agremiação Soropositiva de Apoio aos Endividados)  perguntam logo se ele já tem o 1 PPM para botar!

- um dia ele dixo lho que não botaba nele,  e as consequências foram imediatas!

 - Logo, logo a "cualhada" do meu primo deixou de produzir soro!

-  Hoje ele está no hospital, sempre com um balão de soro (é o oxigêncio liquido)  ligado na veia do braço esquerdo dele! Disse lho o Médicu que é para ele se lembrar por toda a vida que 1 PPM de ácido sulfúrico é "uma parte de ácido por cada milhão de habitantes dentro do leite nacional". 

- Nem mais nem menos!

Tem que ser a dose certa,  senão o paciente pode morrer por causa da "cualhada"! 



AS ELEIÇÕES E O ORÇAMENTO DA GERINGONÇA:   Eu ainda queria vos escreber mais aqui, mas... (repito: tem sempre um mas) mas resta-me apenas o espaço necessário para reafirmar a minha declaração de voto e de devoto anti-biolência!...
- Isto porque, na última vez que eu falei da praia do Zumbi, os leitores me acusaram de cortar as maminhas da minha mulher, para as assar na brasa. 
Como eu gosto delas mal passadas, cairam uns pingos de sangue da grelha para a tábua e eu aproveitei então para,  dar uns murros nas batatas e jogar pão torrado em volta para secar a sangria! Por isso eu fui obrigado a fazer uma nova sangria de vinho tinto com umas rodelas de laranja, meio quilo de açucar, uma botelha de Coca in a "katembe"! à moda de Luanda e prontos.
-  ora bem!,...  a esta altura eu já estava envolvido não só com a biolência na praia, mas também com o tráfico de bebidas e dos tais estupefacientes!...Peraíiiiiiii oh… os meus leitores ficaram tão ecstaziados com as bebidas que eles me pediram logo ali uma grosa de caixa do tal ecstazy – que eu nem sei o que é!  
Portanto!, pelo amor de Deus, pela vossa rica saudinha!
-  acabem logo com estes dias de entrudo que se vivem hoje no Recto Ângulo Luz & Tano senão nem sei onde vamos parar!!!
 
 (*) Zumbi é uma figura emblemática da luta pela Liberdade Esclavagista dos tempos da Lei áurea estabelecida no Brasil pela Princesa Isabel em 1888.
 
  (**) não confundir 1 PPM = uma parte por milhão, com 1 PPM =  Português Primeiro Ministro,  vejam lá hein!,... não me (com) prometam coisas que não podem cumprir no futuro!!!  
 
Silvino Potêncio
Emigrante Transmontano
- o Home de Caravelas de Mirandela na Praia do Zumbi!

 
Nota de Rodapé: Texto Original recuperado do Meu Blog Zé Bico e da Página do Saudoso Poeta Madeirense, Crítico Literário, Escritor Coronel Joaquim Evônio.  

As Minhas Catramonzeladas Literárias

Os "Nïzcaros"

Até ao momento eu tenho 3 livros publicados e já disponíveis no site do Clube de Autores com os respectivos ISBN - o próximo livro da m...