A Despedida da Humanidade Lusófona!...


                                                             Anjo Metatron



Na minha passagem pelo Porto em 2011 (9 anos atrás) eu conheci pessoalmente o Dr Alvaro de Jesus que me tinha sido apresentado virtualmente pela Amiga Delay Prata (Jóia D'África). 
Numa primeira apresentação eu recebi esta  Carta que, vamos e venhamos é bastante extensa e cansativa porém vale a pena ler e por isso a transcrevo aqui integralmente;   

D E S P E D I D A
Nossa longa viagem está terminada. Tudo já foi demonstrado, tudo está concluído até às últimas consequências. A semente está lançada no tempo, para que germine e frutifique. Dei meu verdadeiro testemunho, minha obra está completa. O pensamento desceu, imobilizou-se na palavra escrita: não podereis mais destruí-lo. Está demais antecipado, para ser todo imediatamente compreendido. Nem todos os séculos são capazes de compreender totalmente uma ideia, mas é necessário que, com a psicologia, a perspectiva mude para vê-la sob novos ângulos. Vosso julgamento está viciado por uma visão imediatista, mas os anos correrão, e quando tiverdes visto o futuro, compreendereis esta Síntese em profundidade, e a enquadrareis na história do mundo. Para alguns, estes conceitos ainda estarão fora do concebível. Outros recusarão um trabalho de compreensão porque não desfrutam deles vantagem imediata. Outros procurarão afastar a verdade porque ela perturba o ciclo animalesco de suas vidas, e continuarão a dormir: a esses falará a dor. O cerco aperta-se e amanhã será muito tarde.
A convicção não é tanto filha de cálculos lógicos e racionais, mas dum estado de amadurecimento interior, que só se consegue por meios de provas, lutando e sofrendo. Inútil, pois, falar a respeito desta Síntese para demonstrar erudição, se não é " sentida " como orientação, se não for assimilada como vida. É verdade que a alma colectiva dos povos sente, por intuição mais do que pela razão, a filosofia, o sistema político e a forma social que mais convenham para realização dos fins da própria evolução, e varrem tudo o que não corresponda ao trabalho que o momento histórico exige. Mas, assim como é inútil criar sistemas lógicos e esperar que sejam compreendidos quando incompatíveis com o momento histórico, minha concepção é uma visão fecunda que antecipa a realização, é síntese não apenas do que pode ser conhecido, mas também das arrojadas aspirações da alma humana.
Falei ao mundo, a todos os povos. Disse a verdade universal, verdadeira em todos os lugares e em todos os tempos. Valorizei o homem e a vida, deles fazendo uma construção eterna; através de todos os campos mais disparatados, fiz convergir tudo para um estrito monismo. Nesta síntese: ciência, filosofia e fé são uma só coisa. Tornei a dar-vos a paixão do bem e do infinito. A tudo o que vossa vida possa abarcar, dei ua meta; arte, direito, ética, luta, conhecimento, dor, tudo canalizei e fundi no mesmo caminho das ascensões humanas.
Vós vos moveis no infinito. A vida é uma viagem, e nela só possuís vossas obras. A cada hora morre-se e a cada hora se renasce, mas sempre como filhos de nós mesmos. A evolução, pulsando segundo o ritmo do tempo, não pode parar.
Vedes através de falsa perspectiva psíquica. É preciso conceber não as coisas, mas a trajectória de seu transformismo; não os fenómenos, mas os períodos fenoménicos; Tendes de colocar-vos dinamicamente na fluidez do movimento, realizar-vos neste mundo de coisas transitórias, como seres indestrutíveis, num tempo que só pode levar a uma continuação, lançados para um futuro eterno, que vos abre as portas da evolução.
Após milénios e milénios, não sereis mais as crianças de hoje, e alcançareis formas de consciência que hoje nem sequer sabeis imaginar. Mostrei-vos o destino e o tormento dos grandes que vos precederam na jornada. Eles vos dizem o que será o homem, amanhã: Não podeis parar. Vimos o funcionamento orgânico da grande máquina do universo em seus aspectos, nas fases de seu transformismo. É um movimento imenso e tendes que funcionar como parte do grande organismo.
Uma grande atracção governa o universo por inteiro: Amor. Ele canta na arquitectura das linhas, na sinfonia das forças, nas correspondências dos conceitos, sempre presente. Chama-se atracção e coesão no nível da matéria; impulso e transmissão no nível energia; impulso de vida e de ascensão no nível espírito. É a harmonia na ordem cinética, em que reside nossa respiração e a respiração do universo. Ousámos desvelar o mistério e olhar sem véus a Lei, que é o pensamento de Deus. Em todos os campos vimos os momentos desse conceito que governa tudo. Que os bons não tenham medo de conhecer a verdade.
O quadro está ultimado, a visão é completa. Dei-vos um conceito da Divindade muito menos antropomórfico, muito mais transparente em sua íntima essência, muito mais purificado das reduções feitas pela representação humana; um conceito mais luminoso, adequado à vossa alma moderna mais amadurecida. Assim o mistério pôde emergir em termos de ciência e de razão, saindo dos véus do símbolo. Caminhámos do mineral ao génio, para contemplar a vitória do homem; choramos e ansiamos com ele na cansativa conquista do bem contra o mal, no caminho de sua ascensão.
Ouvimos uma sinfonia grandiosa, em que da matéria ao espírito, tudo canta o hino da vida. Oramos em sintonia com todas as criaturas irmãs. A concepção move-se no infinito. Os únicos limites que vos dei são os impostos pelo vosso concebível. Nosso estudo foi a adoração da Divindade.
Dei-vos uma verdade universal e progressiva, em que podem coordenar-se todas as verdades relativas. Dei-vos conclusões que se não podem negar, sem negar toda a ciência, todo o universo.
A premissa é gigantesca; não pode ser abalada. Cada palavra é um apelo à vossa racionalidade; não podeis negá-la. Sempre afirmado, muito mais do que negado. O ponto de partida desse organismo conceptual não é egocêntrico nem antropomórfico, mas implica em sua génese numa transferência para fora de vosso plano de concepção. Conclamei-vos às grandes verdades do espírito; recompletei vossa vida dividida ao meio pelo materialismo; restituí-vos ao infinito como cidadãos eternos. A ciência tem grande responsabilidade: ter destruído a fé sem saber reedificá-la. Com seus próprios meios, ergui-vos até a Síntese; dei-vos uma ética racional baseada em vastíssima plataforma científica. Dei ao supersensório um peso real objectivo. Mostrei-vos a realidade que está além da ilusão, a substância que reside no transitório, o absoluto que existe nas modificações do relativo. Ergui a ciência até a demonstração das verdades metafísicas. Reuni os extremos inconciliáveis, a matéria e o espírito, equilibrando e fundindo num só plano de trabalho a terra e o céu. Encaminhei o homem à sua futura consciência cósmica. No âmago de meu pensamento, sempre se moveu a visão da Lei de Deus.
Não podeis negar neste escrito, em que se agitam todas as esperanças e todas as dores humanas, uma palpitação de vida substancial; não podeis deixar de sentir, por trás da demonstração objectiva, uma paixão pelo bem, uma sinceridade absoluta, uma potência de espírito que vivifica tudo. Podereis negar ou discutir nele o supranormal. Mas este é normal em todas as outras criações de pensamento; normal nelas é a inspiração, sem a qual não se atingem as verdades eternas; normal a intuição super-racional: é normal um abismo de mistério na consciência, da qual nada sabeis. Cada alma vibrará e responderá de acordo com sua capacidade de vibrar e responder.
Aqui fala também o coração, exortando-vos a subir. Aqui reside imenso amor pelos homens, como Cristo o sentiu na cruz; há um desejo violento de beneficiar, iluminando. Este livro quer ser um acto de bondade e de bem, num plano vastíssimo. Na férrea racionalidade está contido o ímpeto de uma alma que o futuro e sabe que tempestade vos espera. Compreender é simples e natural na fase intuitiva. Só aceitei a ciência, as pesquisas, a racionalidade, como um meio que vossa psicologia me impôs. A quem queira atacar esta doutrina para demoli-la, vou a seu encontro de braços abertos, para dizer-lhes: és meu irmão, só isto importa de verdade. Eu sei: estes conceitos estão tão afastados do mundo feito de mentira e de desconfiança, que vos parecem inaceitáveis e inconcebíveis. Mas minha linguagem precisa ser substancialmente diferente.
Este constitui um apelo desesperado de sabedoria, para o mundo. No coração dos homens e de seus sistemas, domina o egoísmo e a violência; não o bem, mas o mal. A civilização moderna lança as sementes com grande velocidade e aguarda a produção intensiva de sua dor futura. Será a dor de todos. Poderá tornar-se maré demolidora que destruirá a civilização. Os meios estão prontos para que hoje um incêndio se alastre por todo o mundo. Falei aos povos e aos chefes, religiosos e civis, em público e em particular. Depois da conciliação política entre Estado e Igreja, na Itália, urge agora esta conciliação maior espiritual entre ciência e fé no mundo. Se um princípio coordenador não organizar a sociedade humana, esta se desagregará no choque dos egoísmos.
Falei num momento crítico, numa curva da história, na aurora de nova civilização. Podereis não ouvir e não compreender, mas não podereis mudar a Lei. Se a civilização agora tem bases muito mais amplas que nos tempos do império romano, e não é mais um simples foco num mundo desconhecido, ainda existem, porém, enormes desníveis de civilidade, de cultura e de riqueza. A Lei leva ao nivelamento e à compreensão. Enquanto houver um só bárbaro na terra, ele tentará rebaixar a civilização ao seu próprio nível, invadir e destruir, para aprender. As raças inferiores depressa quebrarão o encanto a respeito de sua impressão da superioridade técnica europeia, e dela se apoderarão para pular à garganta do velho Senhor.
A todas as crenças, digo: o que é divino, permanecerá; o que é humano, cairá; qualquer afirmação temporal é uma perda espiritual; cada vitória na terra é uma derrota no céu. Evitai os absolutismos e preferi o caminho da bondade. Não se aplica imposição ao pensamento; a força não o atinge e produz afastamento. Dai exemplo de renúncia das coisas da terra. Vossas verdades relativas são apenas pontos de vista progressivos e diferentes do mesmo princípio único. O futuro não consistirá na exclusão recíproca, mas na coordenação de vossas aproximações da verdade. Não discutais: a convicção não se impõe com ameaças, mas difunde-se com o exemplo e com o amor.
À ciência digo que, enquanto não for fecundada pelo amor evangélico, será uma ciência de inferno. Inútil é o progresso mecânico que faz da terra um jardim, se, nesse jardim, morar uma fera. A terra é um inferno porque vós sois demónios. Tornai-vos anjos e a terra será um paraíso.
Não temam os justos e os aflitos que olham, tremendo, a algazarra humana que busca glória, riqueza e prazer, porque se esta, por um momento, vence e goza, a Lei está vigilante. " Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados". Digo-vos: jamais agridais; não sejais vós os agentes de vossa justiça, mas a Divindade; perdoai. Fazei sempre o bem e o fareis a vós mesmos; deixai a reacção à Lei; não vos prendais ao ofensor com vingança. Não espalheis jamais pensamentos, palavras, actos de destruição; não movimenteis as forças negativas da demolição, pois, de retorno, cairão sobre vós mesmos. Sede sempre construtivos. Preocupai-vos em qualquer campo criar, não em demolir; nada possui tanta força demolidora quanto um organismo completo em função. Então, o velho cai por si, sem lutas de reacção, porque todas as correntes da vida se precipitam para as formas novas.
Não vos rebeleis, mas aceitai todo o trabalho que vosso destino vos oferece. Este já é perfeito e contém todas as provas adequadas, embora pequenas. Se é assim, não procureis alhures grandiosos heroísmos. Os pequenos pesos que se suportam por muito tempo, representam muitas vezes um esforço, uma paciência, uma utilidade maiores. As provas implicam no trabalho lento de sua assimilação; a construção do espírito tem de ser executada em cada minúcia; a vida é toda vivida momento a momento, a cada instante há um acto e um facto que se liga à eternidade. Lembrai-vos de que o destino não é mau, mas sempre justo, mesmo se as provas são pesadas. Recordai-vos de que jamais se sofre em vão, pois a dor esculpe a alma. A lei do próprio destino obedece a equilíbrios profundos e é inútil rebelar-se. Há dores que parecem matar, mas jamais se apresentam sem esperança; nunca sereis onerados acima de vossas forças. A reacção das inexauríveis potências da alma é proporcional ao assalto. Tende fé, ainda que o céu esteja negro, o horizonte fechado e tudo pareça acabado, porque lá sempre está à espera uma força que vos fará ressurgir. O abandono e sua sensação fazem parte da prova, porque só assim podereis aprender a voar com as próprias asas. Mesmo quando dormis ou ignorais, o destino vela e sabe: é uma força sempre activa na preparação de vosso amanhã, que contém as mais ilimitadas possibilidades.
Esses ideais foram ensinados na terra. Mártires morreram por eles. Mas, o que não foi explorado pela hipocrisia do homem? Às vezes, os ideais, para serem divulgados, utilizam justamente esta sua capacidade de sofrer a exploração, tal como o fruto que se deixa devorar para que a semente seja levada para longe. Há a classe dos construtores e há a classe dos demolidores; dos parasitas que, pela mentira, operam uma contínua degradação de todos os valores espirituais. Há quem constrói à custa de tormentosos esforços e há quem utiliza para si, se pendura como peso morto, para baixar tudo ao próprio nível. Um é espírito que vivifica, outro é matéria que sufoca. O princípio puro, então, infecciona-se, adquire sabor de mentira: processo de degradação de ideais. Ai dos culpados, dos demolidores do esforço dos mártires! Ai de quem faz da missão uma profissão, e coloca o espírito como base de poder humano! Ai de quem mente e induz a mentir; de quem com o abuso, induz ao abuso; de quem, dando exemplo de injustiça bem sucedida, a propõe como uma norma de vida! Realizada uma acção, não podeis mais anulá-la até que se esgotem e sejam reabsorvidos seus efeitos. Ai da sociedade que deixar esquecidos seus melhores elementos, não os colocando na posição que possam render em vista de seus merecimentos, e abandona seus valores mais altos à apatia e à incompreensão. São inúteis os reconhecimentos póstumos, e tardio o remorso por um tesouro perdido. Ai das religiões que não cumprirem sua tarefa de salvar os valores espirituais do mundo! O espírito não pode morrer e ressurgirá alhures, fora delas. Ai dos dirigentes que não obedecerem ao Alto e não atenderem à voz da justiça que reside na própria consciência! Ai de quem desperdiçar seu tempo e não fizer de sua vida ua missão!
Um julgamento final vos aguarda a todos, não por obra de um Deus exterior a vós, a quem se possa enganar ou enternecer. Ele é uma Lei omnipresente no espaço e no tempo cuja reacção não há distância nem demora que possa deter, de quem não se escapa, porque está dentro de nós, como dentro de todas as coisas. Pode evitar-se ou enganar a lei da gravidade? Assim não se evita nem se engana a reacção da Lei, a justiça divina.
Deixo-vos. Minha última palavra a quem sofre. Esse é grande na terra, porque regressa a Deus. Destruí a dor e destruireis a vós mesmos: " Felizes os que choram, porque serão consolados ". Não temais a morte que vos liberta. Vós e vossas obras, tudo é indestrutível por toda a eternidade. Minha última palavra é de Amor, de Paz, de Perdão, para todos.
Minha obra está terminada. Se durante anos e anos, uma humanidade diferente, muito maior e melhor, olhando para trás, pesquisar esta semente lançada com muita antecipação para ser logo fecundada e compreendida, e admirando-se como tenha sido possível adiantar-se aos tempos, tenha ela um pensamento de gratidão para o ser humano que, sozinho e desconhecido, realizou este trabalho, por meio de seu amor e de seu martírio.
A sinfonia está escrita. O cântico emudece. Para ressurgir em outras formas noutros lugares. A voz apaga-se. O pensamento afasta-se de sua manifestação exterior, descendo ao âmago, para seu centro, no infinito.
Sua Voz
Sua Voz – último capítulo de "A Grande Síntese" (Síntese e solução dos problemas da ciência e do espírito), cuja 1ª edição saiu em 1937, ditada pelo Senhor Jesus ao Prof. Pietro Ubaldi (1886-1972), o Apóstolo do Terceiro Milénio.
***
‘DESPEDIDA’ é o último capítulo que coloquei, com a merecida autorização editorial, na minha obra “ELUCIDANDO”, a qual doei, na Internet, à Humanidade Lusófona.
Eu Sou,
Álvaro de Jesus
Sacerdote da Ordem de Melchizedek

Um comentário:

  1. A sinfonia está escrita. O cântico emudece. Para ressurgir em outras formas noutros lugares. A voz apaga-se. O pensamento afasta-se de sua manifestação exterior, descendo ao âmago, para seu centro, no infinito.

    ResponderExcluir

O tempo é ouro! por isso eu agradeço a todos por dividirem o vosso aqui comigo. Sejam benvindos ao meu Blog da liberdade de brincar com as palavras em Português e outras línguas!

Catramonzeladas Literárias

A Dor de um Retornado!...

A Dor de Um Retornado... . ..Uma lágrima de dor, Um suspiro de pouco amor, - Uma nuvem ao sol-pôr, - num oceano vermelho...