Prosa e Versos em Mirandês...



                   
A Língua Mirandesa é falada actualmente nesta região fronteiriça entre Portugal e Espanha porém ela tem origem ainda muitos séculos antes do nascimento destes dois países. Modestamente e porque eu nasci aqui, de vez em quando eu traduzo alguns dos meus textos em prosa e verso e os dedico aos Amigos e conterrâneos que se interessam por este conhecimento. 
Há registro de versos como estes aqui embaixo pelo depoimento da Sra Maria do Amparo Ferreira:

Segundo Anto Affonso, a Guerra do Mirandum - Assim chamada em terras de Miranda do Douro, refere-se à guerra do pacto de família em 1762, durante a qual Miranda foi tomada pelo general espanhol Marquez de Sarria. Especialistas em História, supõem que data da guerra de sucessão, sendo composta depois da batalha de Malplaquet na qual o Duque de Malbrough infligiu a terrível derrota à França. Em francês, pelo emprego arcaico de algumas frases também parece ser romance do tempo das cruzadas; Chateaubriand ouviu cantar esta música aos árabes da Síria. Outros afirmam que também a cantaram os mouros de Granada. Aqui é cantada em mirandês.

Mirandum se fui a la guerra
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Num sei quando benerá.

Se benerá por la Pásqua
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Se por la trenidade.

La trenidade se passa.
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Mirandum num bene iá.

Chubira se a hua torre
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Para ber se lo abistaba.

Bira benir um passe
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Que nobidades trairá.

Las nobidades que tráio
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Bos ande fazer chorar.

Tirai las colores de gala
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Ponei bestidos de luto.

Que Mirandum iá ié muorto
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Jo bien lo bi anterrar.

Antre quatro ouficiales
Mirandum, Mirandum, Mirandela
Que lo iban a lhebar.
in ( Cancioneiro Mirandês )




Modéstia à parte eu me sinto muito à vontade para escrever as minhas Trovas (Quadra Rimada Alternada) assim como outros estilos de escrita em prosa e verso. Todavia me entusiasmo sobremaneira ao encontrar textos em Mirandês que é a segunda lingua que se fala na minha Região de Trás Os Montes e Alto Douro. 

Devido à eventual falta de praticantes qualquer língua ou dialecto local acaba por cair no esquecimento do POVO por isso compete a nós escritores guardar estas preciosidades porque;  renunciar ao Passado é perder um Presente que Deus nos reserva no Futuro!


De: Silvino Potêncio  - A Minha Saudade (Um Poema em Mirandês)

La Mie suidade!...
Ye assi esta a mie suidade,
Un pie alhá i outro acá...an pensamiento.
You bibo tan solo eiqui nesta cidade
Para alhá you biajo a to l momiento!
Eilhi na selombra de l berano dessa tierra,
Me relaxo i anton you eilhi bagueio...
A mie Alma la sue puorta ancerra
I l miu spirito an doces nubres se enleia!
Bai pensamiento bai!,... bai an busca deste lugar
Me traç noticias de la paç qu'eilhi se respira,
I buolta p'ra mi yá de nuite ... al luar.
Que l miu coraçon hai mui suspira,
Nesta ánsia d'alhá buoltar un die,
You bibo eiqui eternamente nesta agonia!
Outor: Silbino Potencio
(in: “POESIAS SOLTAS”  De: Silvino Potêncio)  

Sem comentários:

Publicar um comentário

O tempo é ouro! por isso eu agradeço a todos por dividirem o vosso aqui comigo. Sejam benvindos ao meu Blog da liberdade de brincar com as palavras em Português e outras línguas!

Catramonzeladas Literárias

Assim se fala, assim eu escrevo

Em homenagem póstuma à Saudosa Amiga Maria Fernanda Pinto eu vos trago aqui um texto em resposta a uma das últimas Cartas que ela me e...